Futsal – História

Existem dúvidas quanto a origem do futsal. Alguns dizem que foi criado no Uruguai pelo professor da ACM – Associação Cristã de Moços – Juan Carlos Ceriani Gravier, na década de 1930, mas a versão mais aceita, é de começou a ser praticado por volta de 1940, por jovens freqüentadores da Associação Cristã de Moços, de São Paulo. Devido às dificuldades para encontrar campos de futebol e um grande número de pessoas para formar duas equipes, o futebol passou a ser praticado de maneira improvisada nas quadras de basquete e vôlei. Naquela época, era chamado de futebol de salão.

No início, as equipes tinham até sete jogadores e as bolas eram feitas de crina vegetal ou serragem. Em pouco tempo, o número de cinco jogadores para cada time foi definido e a bola ficou menor e mais pesada, para facilitar o controle e evitar tantas saídas pelas linhas laterais e de fundo. Por esse motivo, o futebol de salão ficou, também, conhecido, como "esporte da bola pesada".

Novos campeonatos surgiam e não era difícil para o futebol de salão ganhar novos adeptos. Em pouco tempo, o esporte se espalhou por quase todo o Brasil.

As primeiras federações foram fundadas na década de 1950, a pioneira foi Federação Metropolitana de Futebol de Salão (atual Federação de Futebol de Salão do Estado do Rio de Janeiro), fundada em 1954.

A primeira competição oficial foi realizada no Rio de Janeiro em 1955, contou com a participação de 42 equipes, e foi chamada de "Torneio de Apresentação". Em 1959, a CBD – Confederação Brasileira de Desportos – uniformizou as regras e oficializou a prática da modalidade até 1979, quando a CBFS – Confederação Brasileira de Futebol de Salão – foi fundada e assumiu a responsabilidade sobre o esporte no país.

O primeiro livro de regras foi lançado em 1956 pelo paulista Luiz Gonzaga de Oliveira Fernandes, posteriormente adotado pela entidade que comandava o futsal mundial na época, a FIFUSA (Federação Internacional de Futebol de Salão), com algumas modificações. Em 1989, o futebol de salão passou para o controle da FIFA (Federação Internacional de Futebol).

Hoje, seguramente, o futsal é a modalidade esportiva que possui o maior número de praticantes em todo o Brasil. Isso decorre de ser, o futsal, um esporte genuinamente brasileiro e que não impõe o biótipo geralmente requerido para certas modalidades, podendo praticá-lo o alto, o baixo, o gordo, o magro, o jovem ou o mais idoso. Além deste aspecto democrático e participativo, convém lembrar que, Pelé, Zico, Sócrates, Rivelino, Denílson, Ronaldo, Ronaldinho Gaúcho, Robinho dentre muitos outros astros do futebol creditam grande parte de seu sucesso ao aprendizado obtido no futsal, onde iniciaram a vida esportiva. No futsal, o atleta desenvolve a tão conhecida habilidade que só o jogador brasileiro tem. Devido aos reduzidos espaços da quadra, o jogador desenvolve condições de drible, controle de bola, passe, arremate e marcação que o futebol não proporciona.

Futsal - Regras Básicas

No Futsal, é declarado vencedor o time que somar o maior número de gols dentro do tempo determinado.

Equipes – as equipes são formadas por cinco jogadores, sendo quatro na linha (um fixo, um pivô e dois alas) e o goleiro, além dos sete reservas.

Tempo – A partida é disputada em dois períodos de 20 minutos com intervalo de 10 minutos entre os períodos.

Quadra – a quadra é formada por um retângulo de, no máximo, 42m e, no mínimo, 25m de comprimento e largura máxima de 22m e mínima de 15m.

Pontuação – cada gol marcado para o time equivale a 1 ponto no placar.

Bola – circunferência: 62-64cm / massa: 400-440g
Solta de uma altura de 2m, no primeiro salto ela não deve ultrapassar 65cm de altura e deve saltar, no máximo, 3 vezes.

Árbitros – são dois árbitros, o principal e o auxiliar. Há também o árbitro reserva e o cronometrista, que fica encarregado da marcação do tempo de partida e da marcação dos pedidos de tempo dos técnicos.

Tempo técnico – cada treinador tem o direito a dois tempos, um em cada período, com duração de 1 minuto.

Substituições – as substituições são "volantes", devem ocorrer na zona específica e não precisam de aviso prévio. O número é indeterminado e o jogador pode sair e retornar à quadra quantas vezes forem necessárias.

Faltas acumulativas – são acumuladas todas as faltas (técnicas, pessoais e disciplinares), podendo ocorrer cinco por período de jogo. Da sexta em diante, as infrações são cobradas sem a formação de barreira, numa marca especial. Os jogadores do time que cobrará a penalidade, devem estar em seu campo de defesa na hora da cobrança.

FONTES:
CBFS (Confederação Brasileira de Futebol de Salão)
FIFA (Fédération Internationale de Football Association)